'Falar de inclusão racial não é simples', diz Cristina Junqueira após fala sobre contratação de negros repercutir negativamente
Em vídeo publicado no Linkedin, a cofundadora do Nubank pediu desculpas por ter dito que é "difícil" encontrar candidatos negros adequados a vagas de alta liderança na empresa.

O Roda Viva desta segunda, 19, contou com a participação de Cristina Junqueira, cofundadora e VP do Nubank. Só que uma fala dela durante o programa não repercutiu positivamente na internet, a de que é "difícil" encontrar candidatos negros adequados a vagas de alta lideranças no banco dela.

Hoje à tarde, 20, Cristina postou um vídeo no Linkedin pedindo desculpas pela fala e agradecendo aos feedbacks que recebeu.

"Falar de inclusão racial não é simples, principalmente como mulher branca. Na tentativa de explicar as ações de apoio educacional que temos no Nubank para diversos grupos sub representados dentro da tecnologia, acabei me expressando mal", escreveu ela.

Cristina ainda escreve: "Como disse na entrevista, há muito o que precisamos fazer em questões de diversidade racial e esse é um compromisso que assumimos no Nubank".

No vídeo, de quase 2 minutos, Cristina fala: "Teve um trechinho do que eu falei lá (Roda Viva) que não repercutiu tão bem e eu queria dizer que falar de diversidade racial não é fácil, não é fácil pra mim, não é fácil pra ninguém".

"Eu queria pedir desculpas, eu não me expressei da melhor maneira, é super importante a gente ter uma comunicação clara", diz ela.

Confira o pronunciamento de Cristina:

Durante o Roda Viva, Cristina disse: "Não adianta colocar alguém pra dentro que depois não vai ter condições de trabalhar com as equipes que a gente tem. Depois não vai ser bem avaliado. A gente não está resolvendo um problema, está criando outro, né?". 

A jornalista Angelica Mari, da Forbes Brasil, questionou sobre o que o Nubank vem fazendo para colocar mais negros em posições de liderança na empresa. Cristina disse que há "grupos focados de recrutamento para todas as funções para minorias" e com o objetivo de "ampliar o conjunto e candidatos para vagas".

"Não basta ser uma empresa de tecnologias que pouca gente no Brasil conhece; tem a exigência do inglês, que pode ser uma barreira", diz Cristina, que continuo: "A gente tem investido em formação para garantir que o acesso ao ‘pool’ de candidatos seja o mais diverso possível".

Cristina revela que está em busca de uma "líder global de diversidade", para resolver o problema de representatividade no Nubank: "Já faz algum tempo que a gente procura para várias posições, inclusive uma vice-presidente de marketing para trabalhar comigo. Estou há bastante tempo procurando e é difícil. Recrutar Nubank sempre foi difícil".

Angelica questiona se o "alto grau de exigência" não pode ser uma barrira para as minorias e Cristina rebate:

"Não dá pra nivelar por baixo. Por isso a gente quer investir em formação. Não adianta colocar alguém pra dentro que depois não vai ter condições de trabalhar com as equipes que a gente tem. Depois não vai ser bem avaliado. A gente não está resolvendo um problema, está criando outro, né?", diz Cristina.

Assista:

No Twitter, é possível encontrar várias reclamações sobre as falas de Cristina: "Um banco que acha que ter pessoas negras em seu quadro de funcionários é “nivelar por baixo” não merece ver a cor do meu dinheiro", escreveu uma tuiteira.

Há até quem diz que vai cancelar a conta no banco: "Eu não acredito que vou ter que cancelar o @nubank . Dia triste.", diz um usuário. Outro, publicou: "Nós negros temos alto nível. Inclusive, vou cancelar minha conta no @nubank, já que o Nubank não está à altura do meu nível".

Confira a participação de Cristina no Roda Viva:

(Imagens: TV Cultura/Linkedin)

SUA REAÇÃO!


Você também pode gostar

Facebook Conversations